Setembro 30, 2022

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do setor agrário

❝ Brasil e Portugal têm um futuro de mais negócios e investimentos recíprocos no setor agroalimentar ❞

3 min read
João Paulo Ortega Terra
Encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil em Lisboa

No discurso de encerramento da primeira edição do Agritalks organizada em Lisboa, o Encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil em Lisboa, João Paulo Ortega Terra, recordou tratar-se de um evento organizado pelas Embaixadas brasileiras por todo o mundo, coordenado pelo Ministério das Relações Exteriores com a APEX Brasil, que tem o intuito de apresentar ao público internacional o caráter altamente sustentável e inovador do agronegócio brasileiro.

No caso concreto da edição que aconteceu em Lisboa, o responsável acredita que esse objetivo foi atingido, uma vez que o mesmo “permitiu uma proveitosa troca de experiências sobre o alto grau de inovação e de respeito pelo meio ambiente que fundamentam o agronegócio brasileiro e sobre as formas de cooperação disponíveis para Brasil e Portugal promovermos juntos essa agenda globalmente”.

Para o Encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil em Lisboa a presença das autoridades e de um público de alto nível é indicativa da importância que Brasil e Portugal conferem ao setor agroalimentar.

Sobre a agropecuária brasileira manifestou que a mesma respeita o meio ambiente e é altamente baseada na inovação. “Permito-me acrescentar que a inovação orienta a produtividade da agropecuária brasileira há pelo menos 50 anos, com a criação da Embrapa, cujo trabalho de pesquisa permitiu a “tropicalização” de sementes, em particular soja e milho, bem como propiciou a correção de solos em áreas brasileiras antes tidas como improdutivas. O resultado dessa pesquisa aplicada foi um aumento brutal na produtividade”.

No mesmo discurso avançou que “as primeiras projeções para a produção total de grãos para a campanha 2022/23 apontam para uma colheita de 308 milhões de toneladas no Brasil, resultado que teve uma ajuda considerável daquilo que chamamos “safrinha” do milho, que ocorre entre a colheita do verão e a entressafra do inverno.

Por sua vez, as pastagens para a pecuária utilizam apenas 12% do território brasileiro. Graças à modernização do campo, o Brasil pode reduzir a área destinada à pastagem, permitindo iniciativas de reflorestamento, mas também melhorar a busca da neutralidade de emissões de carbono, metano e óxido nitroso por meio da adoção de técnicas da integração, na mesma área, de lavoura, pecuária e floresta (ILPF)”.

João Paulo Ortega Terra apontou ainda o nível de empreendedorismo dos agricultores brasileiros, que têm incorporado inovações no seu trabalho por meio da agricultura digital. Nesse contexto, salientou o constante apoio da Embaixada do Brasil em Lisboa ao trabalho das empresas tecnológicas tanto brasileiras, quanto portuguesas.  Recorde-se que a Embaixada realizou a 17 de junho, na cidade de Fundão, o evento “Agtech Challenge”, em conjunto com a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira, o Centro de Inovação Empresarial da Beira Interior, a Empresa VeraTech e o Município do Fundão, o qual contou com a participação de seis empresas agrotecnológicas portuguesas e quatro brasileiras.

Partindo do princípio que “sustentabilidade e inovação fazem do Brasil uma potência agroambiental e um dos principais exportadores mundiais de alimentos”, o mesmo pode “contribuir decisivamente para garantir o fornecimento de alimentos ao mercado global independentemente de circunstâncias conjunturais. O atual cenário de desafio à manutenção das cadeias alimentares reforça o papel do Brasil como parceiro confiável da Europa no setor agropecuário, tendo Portugal como sócio privilegiado e porta de entrada ao mercado europeu”, lê-se no discurso de João Paulo Ortega Terra.

Por sua vez, Portugal é visto como um importante parceiro comercial, sobre o qual recordou o valioso apoio de Portugal na aprovação do Acordo de Associação Mercosul-União Europeia, o qual, como se sabe, poderá aumentar expressivamente o comércio bilateral, sobretudo de produtos agropecuários.

“Estou certo de que nossas interações no Agritalks Lisboa 2022 contribuirão para o estreitamento das relações entre nossos setores público e privado em temas agropecuários. Pela frente, Brasil e Portugal têm um futuro de mais negócios e mais investimentos recíprocos no setor agroalimentar”, concluiu o discurso do Encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil em Lisboa.

Artigo relacionado: https://vozdocampo.pt/2022/09/13/agritalks-lisboa-contribui-para-o-estreitamento-de-lacos-entre-portugal-e-brasil-no-setor-agropecuario

Translate »