Abril 16, 2021

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do setor agrário

A Bayer apresenta novas soluções fitossanitárias para amendoeira

6 min read

A Bayer torna-se um parceiro estratégico para o setor das amendoeiras com Movento®, Serenade® ASO e Roundup®

〈 29/03/21 〉

A Bayer realizou um webinar sob o título “Amendoal: uma visão global do campo para o mercado”, com o objetivo principal de divulgar os benefícios das suas novas soluções para as culturas, especialmente da amendoeira. O encontro contou com a presença de cerca de 510 pessoas de Espanha e Portugal, que puderam acompanhar o evento nos canais da Bayer Crop Science Espanha, no YouTube e Facebook, bem como no Twitter. O webinar foi um grande sucesso em termos de participação e seguidores usando a hashtag #BayerSolucionesAlmendro.

A importância e o interesse dos temas abordados refletiram-se no seguimento que foi registado nas redes sociais, onde teve um grande impacto. O encontro registou mais de 580.000 impressões e superou a fasquia das 61.000 pessoas alcançadas.

Fitossanidade na amendoeira

Entre as soluções que a Bayer apresentou, destaca-se a sua gama de produtos com elevado espectro Movento® Gold, Decis® e BioAct®, entre outros, dentro do grupo de controlo de pragas de pulgão e vespa da amendoeira; Serenade® ASO, Cuprosan® e Cupravit®, para o controle de doenças; e Roundup®, para o controle de infestantes.

No controle de pragas um dos grandes produtos que faz a diferença no mercado é o Movento® Gold para o controle do pulgão e da vespa da amendoeira. Francisco Javier Pérez Domínguez comentou como esta solução, amiga do ambiente e compatível com a fauna auxiliar ou insetos benéficos, tem uma ação sistémica e atua sobre a praga através da ingestão. Regista, além disso, níveis elevados de eficácia, longa persistência e é único no controlo do pulgão e das larvas da vespa da amendoeira.

Para concluir a apresentação das diferentes soluções para a gestão de doenças, Francisco Javier Pérez Domínguez, Responsável por Fruticultura e Citrinos, destacou o valor de Serenade® ASO, um fungicida de contacto de largo espectro, com atividade bactericida, que induz defesas naturais e promove o crescimento. Desta forma, Serenade® ASO ativa as defesas da planta e favorece um crescimento mais saudáveis, melhorando a qualidade dos frutos.

Deu-se depois início à sessão de perguntas, em que Francisco Javier Pérez Domínguez teve ocasião de explicar por que razão Movento® Gold não afeta a fauna auxiliar: “É um produto muito seletivo, porque penetra no interior da planta e o efeito inseticida é gerado uma vez no interior, pelo que não atua contra a fauna auxiliar que está à volta da cultura”. Salientou também, em resposta a outra pergunta feita através do chat, que o tempo ideal de aplicação corresponde ao início da infestação.

Inovação e situação do mercado

No segundo bloco, centrado na Inovação e situação do mercado, participaram Antonio Monserrat Delgado, Investigador do IMIDA e Responsável pelo Equipamento de Proteção de Culturas; Antonio Trapero Casas, Catedrático de Patologia Vegetal na Universidade de Córdoba; Miguel Matos Chaves, Diretor Geral da MIGDALO – Portugal; e Joan Fortuny, Representante da SAB-Almendrave e Agricultural Managing Director de Borges Agricultural & Industrial Nuts (BAIN).

Antonio Monserrat abordou a atual preocupação com o problema da vespa da amendoeira. Recordou a sua chegada a Espanha em 2018 e a sua rápida propagação pela península. Conhecida como a “praga invisível” porque não é vista até causar danos, indicou a importância de realizar um trabalho preventivo, verificando o fruto para ver se a vespa da amendoeira está ou não presente. “O agricultor pode retirar o fruto e queimá-lo, reduzindo a pressão das pragas, porque se nos descuidarmos, os problemas podem complicar-se”. Na sua opinião, o verão é uma boa altura para realizar este trabalho de revisão, “é preciso colher os frutos manualmente, um a um para eliminar estas chamadas ‘borregos’”.

Antonio Trapero recordou como chegou à Península Ibérica a mancha bacteriana, que foi detetada pela primeira vez em 2002, e a Xylella Fastidiosa, em 2013 oriunda de Itália. Observou que, no entretanto, as medidas de quarentena evitam a propagação do material na Xylella, na mancha bacteriana “temos menos armas químicas ou biológicas, embora tenhamos à nossa disposição produtos como Serenade® ASO, com efeito bactericida”. Sobre a antracnose, disse que foram detetados alguns surtos na Andaluzia, com um elevado apodrecimento dos frutos, pelo que defendeu a prevenção e controlo com fungicidas, também no caso da mancha ocre, “um agente patogénico que sobrevive na folha que cai no chão, pelo que, se eliminarmos estas folhas, estaremos a contribuir para um controlo adequado”. Também abordou o problema da decomposição ou ramos secos na amendoeira, sobre o qual reconheceu que “é algo novo, não sabemos qual é o agente patogénico relacionado”, pelo que recomendou, para controlo, a monitorização da origem da planta, porque em muitos casos a origem está associada a partir do viveiro.

Miguel Matos fez uma radiografia do setor da amendoeira em Portugal, que cresceu, principalmente, na região sul. “Temos atualmente 30.000 hectares e a previsão é atingir 50.000 a curto prazo, graças às boas condições climatéricas e à disponibilidade de água”, disse. O país luso passou de uma produção anual de 15.000 toneladas para um potencial de 50.000 toneladas num curto espaço de tempo. No entanto, Matos especificou que a força de Portugal é a amêndoa convencional, porque a cultivada em regime ecológico não tem as características específicas para um desenvolvimento ótimo.

Joan Fortuny destacou os efeitos que terão as recentes geadas que sofreram algumas das principais zonas de produção de amêndoa de Espanha, que, juntamente com a “montanha-russa” das temperaturas dos últimos meses, que também afetou a frutificação, farão com que “a colheita de 2021 não seja tão boa como teríamos gostado”. Esta situação pode ser um travão à possibilidade de Espanha ter de atacar a segunda posição mundial como produtor de amêndoa, que agora é detida pela Austrália, disse Fortuny. Não obstante, é apenas uma questão de tempo, uma vez que a Austrália “tem restrições hídricas”, o que está a levar os agricultores a diversificar para outras culturas, tais como a macadâmia. “Espanha tem o potencial de atingir 150.000 toneladas de amêndoa”, após sete anos de crescimento nesta cultura, na qual passou de 55.000 para 700.000 hectares, dos quais mais de 100.000 são irrigados, “o que produz entre quatro a cinco vezes mais do que em sequeiro”. Fortuny sublinhou a necessidade de cuidar do cultivo da amêndoa orgânica, onde “Espanha é uma referência mundial” pelas suas características agronómicas, algo a ser tido muito em conta em termos de bons preços, disse. O setor da amêndoa deveria, na sua opinião, cuidar mais e melhor do seu trabalho promocional, e deu como exemplo o bom trabalho da Califórnia a este respeito. “Temos de trabalhar de forma concertada, valorizando um produto sustentável, variedades mediterrânicas e características organolépticas, com um conteúdo em gorduras insaturadas e ácido oleico acima do californiano, algo desconhecido para os consumidores europeus”, referiu. “A UE importa mais de 300.000 toneladas de amêndoa por ano, temos de abordar esse mercado, tirando partido do nosso crescimento da capacidade de produção” para ir a par de uma ótima “capacidade comercial e promoção do produto”.

Translate »