Dezembro 7, 2021

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do setor agrário

Valor do papel dos bioestimulantes de microalgas

3 min read

Grupo Operacional MicroClimatt: destaca valor do papel dos bioestimulantes de microalgas para uma agricultura mais sustentável

O setor agrícola teve recentemente de demonstrar o seu papel fundamental para garantir o abastecimento alimentar da sociedade, com uma população mundial que também cresce a um ritmo nunca antes visto. No entanto, cada vez mais os agricultores estão enfrentando todos os tipos de desafios de crescimento, e um dos mais notáveis ​​é a mudança climática.

Dentro dessa estrutura, os bioestimulantes estão cada vez mais a desempenhar um papel de liderança na produção agrícola. A contribuição dos bioestimulantes para a agricultura já é relevante, e a previsão é que seu mercado quadruplique entre 2020 e 2030 em todo o mundo. Espera-se que continuem contribuindo para uma agricultura mais rentável e sustentável, aumentando a competitividade de países que se comprometem a exportar produções com qualidade, como é o caso da Espanha. Da mesma forma, espera-se que ajudem a produzir mais com menos, reduzindo o uso de nitrogénio e outros elementos químicos, o que está em linha com a Estratégia “Farm to Fork” da Comissão Europeia, que tem como objetivo reduzir 20% de fertilizantes e 50% dos produtos fitossanitários até 2030.

Valorizar o papel essencial dos bioestimulantes agrícolas, e especificamente aqueles feitos a partir de biomassa de microalgas, é o objetivo do Grupo Operacional MicroClimatt, que busca demonstrar a eficácia de soluções bioestimulantes inovadoras derivadas de microalgas que possam combater com eficiência os efeitos das mudanças climáticas em culturas como o tomate ou trigo. MicroClimatt irá avaliar nestas culturas os efeitos que a nível fisiológico e transcriptómico são induzidos pelo tratamento com novos bioestimulantes de microalgas, incluindo condições que são direta ou indiretamente causadas pelas alterações climáticas, tais como situações de stress hídrico ou taxas de fertilização pobres.

O Grupo Operacional MicroClimatt, dotado de um orçamento de 560.725 euros, é cofinanciado pela União Europeia em 80% do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) e 20% do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação, sendo a autoridade de gestão responsável pela aplicação da ajuda a Direção-Geral do Desenvolvimento Rural, Inovação e Formação Agroalimentar (DGDRIFA). O projeto é promovido e coordenado pela AlgaEnergy, uma empresa internacional líder no setor de biotecnologia de microalgas e suas aplicações, e tem membros de alto nível, como o Instituto de Bioquímica e Fotossíntese Vegetal (IBVF) da Universidade de Sevilha, o Instituto de Madrid para Pesquisa e Desenvolvimento Rural, Agrário e Alimentar (IMIDRA), Centro de Ciências do Solo e Biologia Aplicada de Segura (CEBAS-CSIC) e Associação Agrária de Jovens Agricultores (ASAJA). Da mesma forma, a BIOVEGEN – Plataforma Tecnológica de Biotecnologia Vegetal terá a responsabilidade de coordenar as atividades de valorização e divulgação.

Além de avaliar a melhoria da resistência ao stress hídrico e a eficiência no uso de nutrientes em cultivos de tomate e trigo tratadas com bioestimulantes de microalgas, o Grupo Operacional MicroClimatt também visa quantificar a incorporação de carbono na biomassa vegetal de plantações vinculadas ao aumento da produtividade , avaliar o aumento da incorporação de carbono orgânico no “sumidouro” e estudar a melhoria da fertilidade edáfica dos solos devido ao tratamento dos plantios com derivados de microalgas, bem como a melhoria da qualidade, funcionalidade e sustentabilidade do solo.

Informação disponibilizada pela AlgaEnergy

Translate »