Julho 2, 2022

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do setor agrário

Fungos podem ser cruciais

4 min read

Fungos podem ser cruciais para armazenar carbono no solo à medida que a Terra aquece

Os solos são um reservatório maciço de carbono, com cerca de três vezes mais carbono do que a atmosfera terrestre.

Quando se trata de armazenar carbono no solo, os fungos podem ser a chave.

Os solos são um grande reservatório de carbono, contendo cerca de três vezes mais carbono do que a atmosfera terrestre. O segredo por trás desse armazenamento de carbono são os micróbios, como bactérias e alguns fungos, que transformam matéria morta e em decomposição em solo rico em carbono.

Mas nem todos os compostos de carbono produzidos pelos micróbios do solo são iguais. Alguns podem durar décadas ou até séculos no solo, enquanto outros são rapidamente consumidos por micróbios e convertidos em dióxido de carbono que é perdido na atmosfera. Agora, um estudo mostra que solos ricos em fungos cultivados em experimentos de laboratório liberam menos dióxido de carbono quando aquecidos do que outros solos.

O resultado sugere que os fungos são essenciais para a produção de solo que sequestra carbono na terra, reporta o microecologista Luiz Domeignoz-Horta e os seus colegas a 6 de novembro na ISME Communications.

Quem está a fazer o solo é importante, diz Domeignoz-Horta.

O estudo surge quando alguns cientistas advertem que as alterações climáticas ameaçam libertar mais carbono do solo para a atmosfera, tornando o aquecimento global ainda pior. Os investigadores descobriram que o aumento das temperaturas pode levar a explosões populacionais de micróbios do solo, que rapidamente se esgotam compostos de carbono facilmente digeríveis. Isto obriga os organismos a recorrer a depósitos de carbono mais antigos e mais resistentes, convertendo o carbono armazenado há muito em dióxido de carbono.

Com a ameaça combinada do aumento das temperaturas e dos danos às comunidades de micróbios do solo provenientes da agricultura intensiva e do desaparecimento das florestas, alguns modelos informáticos indicam que em 2100 haverá menos 40% de carbono no solo do que as simulações anteriores previstas (SN: 22/9/16) .

Para ver se os cientistas podem coaxar os solos para armazenar mais carbono, os investigadores precisam de compreender o que faz com que os micróbios do solo façam tiquetaque. Mas isso não é tarefa simples. “Alguns dizem que o solo é a matriz mais complexa do planeta”, diz Kirsten Hofmockel, uma ecologista do Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico em Richland, Wash., que não estava envolvida na investigação.

Para simplificar, Domeignoz-Horta, da Universidade de Zurique, e os colegas cultivaram a sua própria sujidade no laboratório. Os investigadores separaram fungos e bactérias do solo da floresta e cultivaram cinco combinações destas comunidades em pratos de petri, incluindo algumas que eram o lar apenas de bactérias ou fungos. Os investigadores sustentaram os micróbios com uma dieta de açúcar simples e deixaram-nos a chumbar o solo durante quatro meses. A equipa aqueceu então os diferentes solos para ver a quantidade de dióxido de carbono produzida.

As bactérias foram os principais factores por detrás da produção do solo, mas os solos ricos em fungos produziram menos dióxido de carbono quando aquecidos do que os solos produzidos apenas por bactérias, encontraram os investigadores. Porque é que ainda não é claro. Uma possibilidade é que os fungos possam estar a produzir enzimas – proteínas que constroem ou quebram outras moléculas – que as bactérias não são capazes de produzir por si próprias, diz Domeignoz-Horta. Estes compostos derivados de fungos podem fornecer às bactérias diferentes blocos de construção com os quais construir o solo, o que pode acabar por criar compostos de carbono com uma vida útil mais longa nos solos.

O que acontece em solo cultivado em laboratório pode não ter o mesmo efeito no mundo real. Mas a nova investigação é um passo importante para compreender como o carbono é bloqueado a longo prazo, diz Hofmockel. Este tipo de informação poderia um dia ajudar os investigadores a desenvolver técnicas para assegurar que mais carbono permaneça no solo durante mais tempo, o que poderia ajudar a mitigar a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

“Se conseguirmos fixar o carbono no solo durante cinco anos, é um passo na direção certa”, diz Hofmockel. “Mas se conseguirmos ter carbono estável no solo durante séculos ou mesmo milénios, isso é uma solução”.

Referências:
L. Domeignoz-Horta et al. Evidência direta do papel da composição da comunidade microbiana na formação da composição e persistência da matéria orgânica do solo. Comunicações ISME. Publicado a 6 de Novembro de 2021. doi: 10.1038/s43705-021-00071-7.

Translate »