Maio 25, 2024

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do Setor Agrário

OGM | Porque é que a União Europeia precisa de produzir variedades geneticamente modificadas?

Os Estados Unidos, Argentina, Brasil, Canadá, Israel, Japão e Índia estão entre o número crescente de países que desregulamentaram ou decidiram não regular as plantas geneticamente editadas pelo sistema CRISPR e outras novas técnicas de melhoramento vegetal.

Isto é abrir caminho para os agricultores introduzirem uma série de culturas mais sustentáveis que podem controlar doenças, reduzir a aplicação de pesticidas e de fertilizantes e adaptar-se à seca e às inundações”. Os cientistas também estão a encontrar formas de aumentar o rendimento e de cultivar culturas mais nutritivas. Alguns desses países estão também a avançar no sentido de desregulamentar a edição genética dos animais para prevenir doenças, mas o progresso nessa área é mais lento.

Em finais de Março, a Inglaterra decidiu juntar-se a outros países na adopção de novas técnicas de reprodução vegetal, quando o Parlamento aprovou a edição genética de plantas e animais. A legislação de reprodução de precisão não se aplica à Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, cujas restrições à edição genética continuam a ser tão severas como as da União Europeia – regulamentos que irão dificultar a competitividade internacional dos seus agricultores.

Embora o poder político europeu esteja preso no passado, os agricultores e os cientistas não. Muitos clamamam por estas novas tecnologias. “Não podemos simplesmente passar sem modificações genéticas”, disse o geneticista vegetal Jaroslav Dolezel, da República Checa. “O cultivo de culturas com um genoma modificado e resistente a doenças e pragas tornará possível reduzir drasticamente a carga de pesticidas sobre o ambiente e será uma das principais medidas conducentes a uma agricultura sustentável”.

Dolezel indicou que não havia outra forma senão adotar novas tecnologias de melhoramento vegetal ou então “a Europa tornar-se-á um museu da agricultura”.

Um exemplo será suficiente para explicar como os agricultores da UE serão colocados em grande desvantagem por não adotarem novas tecnologias de melhoramento vegetal. Estas novas tecnologias serão capazes de criar culturas resistentes a doenças. Todos os anos, em todo o mundo, perdem-se colheitas no valor de milhares de milhões de dólares devido a doenças. As plantas resistentes às doenças também permitiriam reduzir a utilização de fungicidas, o que constitui uma despesa considerável para os agricultores.

Em 2018, cientistas da Universidade e Investigação de Wageningen, nos Países Baixos, em conjunto com cientistas da Autoridade Irlandesa para a Agricultura e Desenvolvimento Alimentar, desenvolveram uma batata geneticamente modificada que é resistente ao míldio da batata. Esta é a mesma doença que causou a famosa fome da batata irlandesa no século XIX, que resultou na morte de cerca de um milhão de pessoas. Também reduz o uso de fungicidas em até 90 por cento. A batata não pode ser comercializada na UE devido à regulamentação existente que proibiu praticamente todas as novas culturas geneticamente editadas.

Utilizando técnicas de engenharia genética, os cientistas estão a trabalhar na erradicação de doenças que afetam as principais culturas na UE:

  • Trigo (em 2022, França e Alemanha produziram metade do trigo cultivado na UE)
  • Tomate (Itália, Espanha e Portugal são os maiores produtores)
  • Laranjas (Espanha, Itália e Grécia são os maiores produtores)
  • Morangos (a Espanha e a Polónia são os maiores produtores)
  • Maçãs (Polónia, Itália e França são os maiores produtores)
  • Uvas (Espanha, França e Itália representam três quartos da superfície cultivada)
  • Beterraba (França, Alemanha e Polónia são os maiores produtores)
  • Arroz (a Itália é o maior produtor)
  • Pepino (Espanha, Polónia e Países Baixos são os maiores produtores)
  • Batata doce (Portugal, Espanha e Itália são os maiores produtores)
  • Cevada (Alemanha, França e Espanha são os maiores produtores)

A investigação sobre a criação de culturas resistentes a doenças está a dar os seus primeiros passos, mas é provável que venha a dar frutos nos próximos anos, levando a ainda mais inovações. No entanto, os agricultores da UE não poderão tirar partido do cultivo de culturas resistentes a doenças, a menos que se ponha fim às restrições.

Este texto é um excerto (traduzido) do artigo do economista Steven E. Cerier, publicado em Genetic Literacy Project. Leia o texto integral aqui.

Translate »