Junho 17, 2024

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do Setor Agrário

A Yara e a Cepsa selam uma aliança para ligar o sul e o norte da Europa com hidrogénio verde, na presença da família real

Ambas as empresas acordaram uma aliança estratégica para estabelecer o primeiro corredor marítimo de hidrogénio verde entre os portos de Algeciras e Roterdão, com vista à descarbonização da indústria e do transporte marítimo europeu.

A aliança prevê que a Yara Clean Ammonia (YCA) forneça à Cepsa volumes de amoníaco verde, o que permitirá à empresa energética assumir a liderança no estabelecimento do corredor de hidrogénio limpo e liderar a iniciativa para servir os clientes industriais e marítimos em Roterdão e na Europa Central.

“A Yara Clean Ammonia e a Cepsa criaram uma parceria pioneira para estabelecer uma cadeia de abastecimento credível e sólida para a transformação da energia verde na Europa. Esta parceria estabelecerá uma base sólida para os esforços industriais no sentido de garantir amoníaco e hidrogénio ecológicos para várias aplicações a jusante na Europa, assegurando simultaneamente os objectivos de transformação energética. Estamos muito satisfeitos por fazer parte desta iniciativa de colaboração”, afirmou Magnus Krogh Ankarstrand, Presidente da Yara Clean Ammonia.

Uma cadeia de abastecimento credível e forte para a transformação da energia verde na Europa

A parceria com a Yara Clean Ammonia ajudará a estabelecer uma cadeia de abastecimento segura, resistente e rentável para fornecer amoníaco verde aos clientes industriais e marítimos da Cepsa em Roterdão e na Europa Central. A parceria também abre caminho para que a Cepsa forneça as primeiras moléculas de hidrogénio verde aos seus clientes, utilizando a base de abastecimento global e a pegada logística da Yara Clean Ammonia. Isto, por sua vez, permitirá à empresa energética começar a comercializar hidrogénio verde e amoníaco a clientes industriais e marítimos em Roterdão e na Europa Central.

“Os acordos de hoje são um passo crucial para a viabilidade a longo prazo do Vale do Hidrogénio Verde da Andaluzia e para a implementação do primeiro corredor de combustível marítimo sustentável que liga o Sul e o Norte da Europa. O hidrogénio verde e os seus derivados são a solução mais rápida, viável e competitiva para acelerar a transição energética nos transportes pesados e garantir a independência energética da Europa. Os acordos hoje anunciados dão ao nosso projecto um acesso crucial aos mercados, aos clientes e às infra-estruturas de distribuição: três elementos fundamentais para desbloquear o potencial do nosso vale do hidrogénio. Esta é uma óptima notícia para a descarbonização do transporte marítimo e da indústria europeus e para o planeta”, afirmou Maarten Wetselaar, CEO da Cepsa.

A aliança incorpora a Yara Clean Ammonia como um novo parceiro do Vale do Hidrogénio Verde da Andaluzia. A YCA e a Cepsa trabalharão em conjunto para desenvolver uma forte cadeia de abastecimento para tornar o corredor de hidrogénio verde uma realidade. A Cepsa irá construir uma nova fábrica de amoníaco verde no seu parque energético em San Roque, Cádis, perto do porto de Algeciras, com uma capacidade de produção anual de até 750 000 toneladas.

Ligar o Sul e o Norte da Europa com um corredor verde de hidrogénio

Suas Majestades o Rei Felipe VI de Espanha e o Rei Willem-Alexander dos Países Baixos assistiram hoje à assinatura do acordo de colaboração comercial entre a Yara Clean Ammonia e a Cepsa, através do qual as duas empresas lançarão o primeiro corredor marítimo de hidrogénio limpo entre o sul e o norte da Europa, ligando os portos de Algeciras e Roterdão, como parte dos esforços para impulsionar a descarbonização da indústria e do transporte marítimo no continente.

A Yara Clean Ammonia faz parte da Yara International, que tem a sua maior fábrica de amoníaco e fertilizantes nos Países Baixos. Desde 1929, a fábrica holandesa da Yara está localizada em Sluiskil, no Canal Ghent-Terneuzen, uma importante via navegável de águas profundas que se abre para o Mar do Norte e liga os rios e caminhos-de-ferro do interior da Europa a toda a Europa. A maior da Europa Ocidental

A maior unidade de produção de fertilizantes da Europa Ocidental é altamente integrada e uma das fábricas mais eficientes do mundo.

Amoníaco verde, uma solução sustentável para o transporte marítimo de combustível e hidrogénio

O amoníaco verde é uma das alternativas mais eficazes para descarbonizar o transporte marítimo. A partir de 2026, espera-se que as companhias de navegação expandam a utilização deste combustível sustentável para reduzir as emissões de CO2 em 100%. Tanto a sua produção, que combina hidrogénio limpo e azoto da atmosfera, como a sua utilização como combustível são neutras em termos de carbono.

Além disso, é mais fácil e mais sustentável transportar o amoníaco do que o hidrogénio, uma vez que este pode ser transportado a uma temperatura mais elevada (o amoníaco é transportado a -33°C, enquanto o hidrogénio tem de ser arrefecido a -253°C). Uma vez transportado, o amoníaco verde pode ser convertido novamente em hidrogénio para distribuição, como será feito no porto de Roterdão, onde está a ser construído um terminal para efectuar esta conversão e canalizar o hidrogénio verde através de condutas para a Alemanha, Bélgica, Dinamarca ou Países Baixos.

Este compromisso com os combustíveis marítimos sustentáveis está em consonância com o pacote “Fit for 55” da Comissão Europeia, que inclui o “FuelEU Maritime”, uma iniciativa legislativa que visa estimular a procura de combustíveis alternativos sustentáveis no transporte marítimo para reduzir a intensidade das emissões de gases com efeito de estufa em 2% em 2025, 6% em 2030 e 75% em 2050, em comparação com os níveis de 2020.

Além disso, o desenvolvimento e a utilização de combustíveis sustentáveis contribuem para vários dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030: ODS 7 (Energia acessível e limpa), ODS 8 (Trabalho digno e crescimento económico), ODS 12 (Consumo e produção responsáveis) e ODS 13 (Acção climática).

Até 2050, prevê-se que o hidrogénio verde represente um terço do combustível utilizado nos transportes terrestres mundiais, 60% dos transportes marítimos e será essencial para armazenar energia para um sistema de electricidade 100% renovável.

Translate »