Maio 23, 2022

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do setor agrário

Guerra na Ucrânia: A Europa deve reafirmar sem demora uma estratégia para o crescimento agrícola

3 min read

Enquanto decorre uma guerra que condenam, os produtores europeus de Culturas Arvenses desejam afirmar a sua solidariedade com os seus colegas ucranianos.

Para além das dramáticas consequências humanas, a guerra russo-ucraniana terá grandes impactos económicos para o sector agrícola. É tempo de reafirmar uma estratégia de crescimento da produção agrícola.

Só a Ucrânia é responsável por 110 milhões de toneladas de produção de culturas arvenses, das quais 90 milhões de toneladas se destinam à exportação. A Rússia e a Ucrânia representam, em conjunto, 30% do comércio mundial de cereais. Face a esta situação, a CEPM deseja afirmar que não há risco de escassez para o abastecimento alimentar dos europeus.

No entanto, os produtores de culturas arvenses estão a ser duramente atingidos pelos desequilíbrios económicos deste conflito, tal como os sectores da pecuária. A curto prazo, existe um risco real de explosão dos custos de produção, dos preços dos factores de produção (especialmente fertilizantes) e dos custos energéticos.

Esta guerra mostra mais uma vez a importância estratégica da Agricultura. Os produtores de culturas arvenses produzem:

–          para alimentar os povos: a soberania alimentar europeia está, mais do que nunca, sob os holofotes. Fornecer aos consumidores a um preço acessível é uma questão importante

–          para garantir a paz: a guerra russo-ucraniana coloca em risco o abastecimento de muitos países tais como em África e no Médio Oriente, o que poderia agravar a situação geopolítica.

Por todas estas razões, é urgente reexaminar as escolhas coletivas a nível europeu para dar aos agricultores os meios para produzir. A estratégia europeia “Farm to fork” deve ser repensada sem demora. A Europa está a forçar-nos a colocar em pousio 4% das nossas terras: esta orientação deve ser travada imediatamente. A flexibilidade deve ser restaurada nas explorações agrícolas, para responder a todos os desafios de produção.

A diminuição da produção agrícola seria uma loucura tendo em conta as necessidades de alimentar as pessoas, proteger o poder de compra dos consumidores e preservar a paz mundial. O aumento da produção no sector das culturas arvenses é também uma resposta às necessidades do sector pecuário, que também será duramente atingido pelo aumento dos preços das matérias-primas.

 Os produtores de culturas arvenses têm vindo a trabalhar há vários anos para desenvolver a sua produção, satisfazendo simultaneamente as expectativas dos cidadãos-consumidores em termos de clima e biodiversidade. O apoio financeiro público à inovação deve ser continuado para acelerar o desenvolvimento de novas soluções, por exemplo, através de novas técnicas de melhoramento de plantas.

Os produtores europeus de culturas arvenses, conscientes da sua responsabilidade, estão prontos a produzir para enfrentar todos estes desafios.

A CEPM apela a todos os líderes políticos europeus para que voltem a colocar a ênfase no desenvolvimento da nossa capacidade de produção sem demora.


A CEPM envolve actualmente 10 países – Alemanha, Bulgária, Espanha, França, Hungria, Itália, Polonia, Portugal, Roménia e Eslováquia e representa cerca de 90% da superfície de milho semeada a nível europeu, numa área total que ronda os 15 milhões de hectares – 9 milhões de hectares de milho grão, 6 milhões de hectares de milho silagem e 240 mil hectares de outras produções. O Dr. Jorge Neves, enquanto Presidente da ANPROMIS, é Vice-Presidente desta importante Organização.

Translate »