Julho 23, 2024

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do Setor Agrário

“Cheios e insatisfeitos” o dilema dos fabricantes de alimentos

Os agricultores deste país (Alemanha) encontram-se num dilema: entre o desejo e a realidade, entre as aspirações dos cidadãos e o seu verdadeiro comportamento de compra. O agricultor Willi, o agricultor de blogues mais conhecido da Alemanha, conta no seu livro “Satt und unzufrieden” (Cheio e insatisfeito) sobre as alterações climáticas e a extinção de espécies na agricultura. Escreve sobre temas críticos como a criação de fábricas, nitratos, proteção de plantas, mortalidade de insetos ou engenharia genética, fala de inquéritos contraditórios, estudos questionáveis e da tendência dos políticos para implementarem caminhos especiais nacionais. Com muita paixão, promove um tratamento mais honesto entre todos porque os riscos são elevados, não só para os agricultores, mas também para a segurança do abastecimento do país.

Sou agricultor. Agricultor convencional, como a grande maioria dos agricultores alemães. É provável que sejam cerca de 90% que fazem negócios desta forma. Mas a minha profissão está na defensiva. A minoria dos agricultores desempenha apenas um papel extra, apenas cerca de um por cento do produto interno bruto provém da agricultura. O mundo dos valores é despedaçado: os intermediários compram leite e carne a preços baixos, os frutos dos pomares apodrecem, na floresta o besouro da casca destrói a madeira e, portanto, os ativos de décadas.

A apetência dos compradores de altas marcas de automóveis de topo tornou-se ainda maior. Se os morangos, espargos ou cerejas forem demasiado caros na Alemanha (também “graças” ao salário mínimo), os agricultores são despromovidos e importam-se frutas e legumes espanhóis colhidos por trabalhadores migrantes do Norte de África. A mesquinhez é fria, e em tempos de alta inflação para muitos até mesmo uma necessidade convincente.

A mesquinhez é fria, e em tempos de alta inflação para muitos até mesmo uma necessidade convincente.

Autor:
Willi Kremer
Engenheiro Agrónomo

Leia o artigo completo na edição de fevereiro da Revista Voz do Campo, adquira aqui.

Translate »