Julho 2, 2022

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do setor agrário

Famílias de culturas e necessidades fitossanitárias: Juglandáceas

2 min read

Dentro da família das juglandáceas, destaca-se uma cultura com grande projeção económica, como a noz. Saiba mais sobre suas características.

Entre as diferentes espécies vegetais que compõem a extraordinária diversidade do nosso sector agrícola, podemos encontrar famílias de culturas que tradicionalmente têm sido associadas, quase exclusivamente, à sua presença na natureza, embora estejam actualmente entre as alternativas agrícolas com maior projecção em termos económicos, como é o caso das juglandáceas.

É bem possível que se falamos da família das juglandáceas surjam dúvidas sobre a que variedade de cultura nos referimos, mas temos a certeza que será mais fácil se esclarecermos que as variedades mais representativas a nível agrícola desta família de plantas é a nogal, da qual um verdadeiro tesouro a nível nutricional é obtido, assim como a noz.

O cultivo da nogueira caracteriza-se pela sua melhor adaptação a localizações geográficas com condições climáticas temperadas, visto que apresenta uma elevada sensibilidade à possível ocorrência de geadas durante o seu crescimento e período de floração.

Da mesma forma, em ambientes com temperaturas excessivamente altas, acompanhadas de baixa umidade, a nogueira pode sofrer danos que levarão à má formação dos frutos.

Além disso, embora seja uma espécie popularmente associada a um carácter marcadamente selvagem, e que é altamente adaptável a diferentes tipos de solo, a nogueira tem uma necessidade considerável de recursos hídricos, o que a torna essencial para a plantação e desenvolvimento em terras irrigadas.

No que diz respeito às suas necessidades de protecção ao nível da fitossanidade, as juglandáceas, e especificamente as nogueiras, requerem uma monitorização exaustiva e frequente para detectar a possível presença de pragas como a lagarta da noz ou carpocapsa e a broca amarela ou broca da madeira , dado os danos que podem causar à própria árvore e aos seus frutos.

Da mesma forma, também será necessário dedicar a máxima atenção ao aparecimento de doenças fúngicas associadas à presença de fungos, como antracnosetinta de noz ou preto e podridão ou branco ruim das raízes, bem como bacteriose ou noz mal seca.

Dada a grande variedade de ameaças que podem afetar esta cultura, ao detectar qualquer anomalia, será imprescindível que contacte, o mais rapidamente possível, um especialista qualificado em fitossanidade, a fim de avaliar o problema e colocar o tratamento mais adequado em andamento para limitar o volume de danos causados ​​à sua cultura.

Mais informações na Revista Voz do Campo.

Translate »