Dezembro 8, 2022

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do Setor Agrário

Expansão da Trioza preocupa citricultores em Portugal

Um ano após a primeira detecção de Trioza erytreae na região cítrica portuguesa do Algarve, o vetor HLB colonizou cerca de 200 quilómetros da costa atlântica portuguesa mais ao sul e já está a menos de 120 km das primeiras plantações de Huelva, em Ayamonte.

O Comité de Gestão Cítrica (CGC) adverte que o futuro a médio prazo da cítrica está ameaçado, por isso insta a Comissão a reforçar os seus controles de importação e rever drasticamente a sua estratégia para reduzir o uso de produtos fitossanitários.

A disseminação de T. erytreae o aparecimento do outro vetor, Diaphorina citri, em Israel “questionam o futuro a médio prazo do cultivo cítrico espanhol”, adverte a presidente do CGC, Inmaculada Sanfeliu. A associação que representa os produtores e exportadores cítricos espanhóis lembra que, no relatório da auditoria que a Comissão Europeia realizou em novembro do ano passado, funcionários da DG de Saúde e Segurança Alimentar já criticaram a “incapacidade das autoridades de promover medidas imediatas com as quais erradicar a praga nas plantas de acolhimento de jardins privados, a menos que os proprietários cooperem voluntariamente”, bem como “falta de conhecimento sobre as parcelas onde a praga está presente”. Sabendo que o vetor africano se instalou em toda a costa do Algarve, que é a principal área cítrica do país – com cerca de 16.000 hectares e 370.000 toneladas de produção – mas também uma região turística com uma paisagem onde residências espalhadas com pequenos pomares/jardins abundam, o CGC teme que a praga avance em direção ao interior da península e se aproxime de Huelva.

Mais informação no artigo original.

Fonte: Phytoma España

Translate »