Junho 22, 2024

Agricultura Internacional

Imprensa especializada do Setor Agrário

ANICE apresenta as prioridades do setor da carne perante a nova legislatura da UE

A Associação Nacional das Indústrias de Carne da Espanha (ANICE) colocou à disposição dos principais partidos políticos de Espanha, que concorrem às eleições europeias 2024-2029, um documento que inclui as prioridades do setor da carne para a nova legislatura, bem como medidas de melhoria para a governação da UE.

A indústria da carne espanhola, com um volume de negócios de 33.218 milhões de euros em 2023, lidera o ranking da indústria alimentar e de bebidas nacional, representando hoje quase um terço do volume de negócios total do setor alimentar no país.

É louvável que, apesar da situação económica desfavorável no ano passado, o setor tenha conseguido também atingir um valor recorde de exportações de 10.583 milhões de euros e uma balança comercial de 625%, superando as vendas ao exterior em 2022, em 6,2%; posicionando-se, por outro lado, como um dos melhores aliados na luta contra o despovoamento porque os seus mais de 113.000 empregos diretos foram criados e mantidos especialmente nas zonas rurais, estabelecendo população, estruturando os seus ecossistemas e, portanto, contribuindo para evitar uma Espanha vazia.

No entanto, o setor está atualmente sujeito a uma pressão regulatória crescente, o que prejudica o seu crescimento económico, colocando pedras nas rodas das grandes alavancas do seu desenvolvimento, como a inovação e a internacionalização.

Neste contexto, a indústria da carne espanhola, reunida na ANICE, preparou e colocou à disposição dos principais partidos políticos participantes nas próximas eleições europeias, um documento que inclui as principais prioridades do setor antes da nova legislatura, e que, se for realizado fora, representariam um importante impulso para o crescimento económico de um dos setores industriais mais importantes de Espanha e a bandeira indiscutível da Marca Espanha.

O documento está dividido em duas áreas. A primeira refere-se a considerações gerais destinadas a melhorar a governação da União Europeia e a segunda inclui as prioridades específicas que o setor necessita para a sua proteção e desenvolvimento.

Para a ANICE, os candidatos ao Parlamento Europeu apresentados nas listas dos diferentes grupos políticos devem enfrentar a legislação com um profundo conhecimento da realidade agrária, pecuária e agroindustrial espanhola, para que possam desenvolver o seu trabalho nas duas Comissões do Parlamento Europeu com maior peso específico e que são fundamentais para o setor em Espanha, a Comissão da Agricultura (COMAGRI) e a Comissão do Ambiente (COMENVI). Em causa está a melhor defesa dos interesses dos operadores económicos espanhóis que representam.

É também destacada a necessidade de ter uma nova Vice-Presidência Executiva de Política Alimentar na Comissão Europeia, que sirva de contrapeso à poderosa Vice-Presidência Executiva do Pacto Ecológico Europeu, bem como de ter um relatório sobre o impacto económico da escalada legislativa e ter avaliações técnicas sem ideologias, antes da implementação de qualquer regulamentação.

Por último, a indústria da carne solicita a preservação do Mercado Único, para que os legisladores apliquem consistentemente os regulamentos em todos os Estados-Membros da UE, de modo a não reduzir a competitividade das empresas. É assim que devemos reagir às crescentes iniciativas legislativas nacionais que acabam por ser verdadeiras barreiras comerciais dentro da UE, como o sistema francês de rotulagem nutricional, Nutri-Score, ou as recentes tentativas de impor rótulos ambientais de difícil compreensão para os consumidores.

A ANICE pede também aos novos decisores políticos que racionalizem o vasto desenvolvimento regulatório do Pacto Ecológico Europeu que pressiona um setor já sujeito a uma regulamentação rigorosa, sufoca as PME e nos leva a uma perda sem precedentes de produção e soberania alimentar. Escalada regulatória que causou protestos significativos do setor primário em toda a Europa.

O segundo bloco centra-se nas prioridades específicas do setor da carne, com medidas que envolvem o reconhecimento do valor estratégico do setor, a implementação de ações e campanhas para transmitir informação verdadeira, científica e verificada sobre alimentação, nutrição e saúde, promovendo essa o setor e as suas produções recuperam credibilidade e reputação, face aos contínuos ataques dos poderosos lobbies animalistas e anti-carne.

O apoio à investigação torna-se fundamental e são exigidas soluções que favoreçam o investimento na indústria da carne em termos de inovação, bem como propostas de financiamento para cumprir os ambiciosos objectivos ambientais estabelecidos pela Comissão Europeia no Pacto Ecológico Europeu, que deverão vir de mãos dadas, lado a lado com novos apelos a fundos europeus da próxima geração, entre outros.

Sem esquecer o impulso ao comércio externo para que Espanha mantenha a sua atual liderança no comércio internacional de carnes e derivados.

Em suma, o documento apresentado pela ANICE reflete a necessidade de reforçar e ampliar o apoio institucional e político a nível europeu, para que o setor da carne possa continuar a avançar com segurança e com igualdade de oportunidades para enfrentar os desafios do futuro, na medida em que este setor tem muito interesse a nível nacional, europeu e internacional.

› Associação Nacional das Indústrias de Carne da Espanha (ANICE)

Consulte AQUI o documento com as “PRIORIDADES da ANICE: para a Nova Legislatura UE 2024/2029.

Translate »